Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Processo de parir assistido pelo enfermeiro obstetra: experiências de puérperas assistidas em centro de parto normal
Bruna Cristina de Araujo Lima, Ramon José Leal de Morais, Hevelyn Kelly Samara Leite de Almeida, Mônica Cecília Pimentel de Melo

Última alteração: 2019-11-13

Resumo


Durante o século XX, os partos eram realizados com auxílio de parteiras tradicionais, evento realizado nas casas das parturientes e em meio familiar. As mulheres exerciam seu protagonismo e o processo acontecia naturalmente. Contudo, com o avançar da ciência, o parto tornou-se institucionalizado e passou do ambiente domiciliar para o hospital, favorecendo a prática de intervenções. Logo, o parto tornou-se instrumentalizado e estereotipado como algo patológico. Entretanto, tais intervenções começaram a ser questionadas, principalmente, por não possuírem embasamentos científicos. O Centro de Parto Normal surgiu como alternativa para redução do número de práticas desnecessárias, buscando a devolução da autonomia à mulher e a humanização do nascimento. Tendo em vista a expectativa gerada pela recomendação deste novo ambiente destinado ao parto e a esperança na modificação do modelo de atenção obstétrica vigente no país, este estudo tem como objetivo, compreender as percepções maternas acerca das experiências que tiveram ao serem assistidas durante o parto por enfermeiros obstetras (EO) em Centro de Parto Normal. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo de caráter exploratório e descritivo. O material empírico foi colhido por meio de entrevista semiestruturada, com puérperas a partir de 18 anos assistidas em Centro de Parto Normal do Vale do São Francisco. O conteúdo foi analisado a luz da Análise Temática de Conteúdo proposta por Minayo. A pesquisa foi aprovada em Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da UNIVASF através do parecer nº 2.548.096. Participaram do estudo 14 puérperas com média de idade foi de 23,5 anos e em sua maioria primíparas, naturais de Juazeiro – BA e tinham como principal ocupação ser dona de casa. Quanto ao estado civil, houve o mesmo número de casadas e solteiras entrevistadas. Quatro categorias emergiram através do conteúdo analisado, a saber: Na primeira categoria, denominada, “Manejo da enfermagem obstétrica na assistência ao parto”, os depoimentos retratam uma assistência baseada à luz do acolhimento e da formação de vínculo, funcionando como terapia para alívio da dor. A segunda categoria nomeada “Da cultura do modelo obstétrico tradicional à experiência atual”, essa categoria aponta experiências marcantes e positivas da assistência prestada pela Enfermagem em CPN, mesmo diante da desconfiança, gerado por experiências anteriores ou relatos de outros. A terceira categoria, “Papel da enfermagem obstétrica no cenário do parto”, mostra uma desinformação no que tange ao papel da enfermagem obstétrica na assistência ao parto. A quarta categoria, “Influência da estrutura do CPN na assistência ao parto”, assinala para um ambiente que proporciona maior tranquilidade, conforto e privacidade, chegando a ser comparado, por algumas, com hospitais particulares. Conclui-se que, mesmo diante de um desconhecimento das atribuições da enfermagem obstétrica e existência de novos ambientes para assistência ao parto, as experiências narradas por mulheres que formam assistidas em Centro de Parto Normal foram consideradas positivas, significantes e a luz de práticas atualmente recomendadas pela Organização Mundial de Saúde.

Palavras-chave


enfermagem obstétrica; parto normal; assistência ao parto.