Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
PERCEPÇÃO DE TRABALHADORES DO CAMPO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA SOBRE O GRAU DE RISCO E EFEITOS DELETÉRIOS FÍSICOS E MENTAIS DECORRENTES DA EXPOSIÇÃO A AGROTÓXICOS
Vanessa Ingrid Alves de Lima, VANESSA INGRID ALVES DE LIMA, GLÓRIA MARIA PINTO COELHO, HELAYNNE MARIA DOS ANJOS, JÉSSICA LOPES GOMES, JAISE GATELLIER CALDAS DE AQUINO, VICTOR LUIZ PEREIRA MENDES

Última alteração: 2019-11-11

Resumo


Os agrotóxicos são compostos químicos constituídos de ingredientes com grau de toxicidade aguda e crônica elevados, passíveis de causar diversos prejuízos ao organismo humano. O uso prolongado de agrotóxicos pode acarretar em síndromes neurocomportamentais, neuropatias e diversos distúrbios psiquiátricos. Pioneiro no estudo sobre saúde mental de trabalhadores do campo, Faria et al., identificou em seus estudos um alto índice de suicídios e uma alta prevalência de distúrbios mentais associados ao uso de agrotóxicos em trabalhadores do campo. Este estudo tem a pretensão de identificar a percepção de trabalhadores do campo do município de Petrolina a respeito do grau de risco de agrotóxicos e suas consequências deletérias para a saúde mental e física. O objetivo central é analisar a percepção de trabalhadores do campo do município de Petrolina a respeito dos efeitos deletérios a sua saúde física e mental relacionados a exposição aos agrotóxicos, bem como ao grau de risco referente à toxicidade dessas substâncias. Trata-se de um recorte de um estudo quali-quantitativo, do tipo descritivo, foi realizado nos Sindicato dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares de Petrolina e Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais de Petrolina-PE. Participaram do estudo, trabalhadores do campo associados aos sindicatos. Para a realização do mesmo foi utilizado como instrumento de pesquisa um questionário semiaberto para a coleta de dados sociodemográficos, clínicos e de percepção. Os dados foram tabulados e analisados através do Software Statistical Product and Service Solutions® (SPSS) versão 17.0, também foi utilizado o programa Microsoft Excel. Foram entrevistados 71 trabalhadores do campo. Quanto ao grau de risco em relação à exposição aos agrotóxicos, consideraram que: 4,2% (3) não ser perigoso; 4,2% (3) pouco perigoso; 21,1% (15) perigoso; 54,9% (39) muito perigoso e 14,8% (11) não souberam responder. Quando questionados a respeito da possibilidade de desenvolver problemas de saúde físicos decorrentes da exposição a agrotóxicos, consideraram que: 54,9% (39) sim; 18,3% (13) não e 26,7% (19) não souberam responder. E em relação à possibilidade de desenvolver transtornos mentais decorrentes da exposição aos agrotóxicos, responderam que: 59,1% (42) sim; 29,5% (21) não e 11,2% (8) não souberam responder. O emprego atual da nomenclatura possibilita que a toxicidade desses produtos ganhem evidência, fazendo do uso de agrotóxicos uma questão de saúde pública, sendo assim, é notória a importância de se conhecer o nível de percepção dos indivíduos diretamente expostos, principalmente, para que a partir dessas informações sejam propostas ações informativas e intervencionistas com o objetivo de minimizar as consequências a saúde desses sujeitos. No presente estudo, pôde-se perceber que a grande maioria da amostra populacional possui a consciência do grau de risco em relação à exposição a tais agentes químicos, no entanto, percebe-se também que uma parcela importante dos entrevistados desconhecem tal informação. Essa mesma percepção de desinformação reflete-se no que se refere à possibilidade de desenvolver morbidades físicas decorrentes da exposição em longo prazo. No entanto, evidencia-se um grande quantitativo de trabalhadores que consideram a possibilidade de se desenvolver transtornos mentais decorrentes da exposição prolongada


Palavras-chave


agrotóxicos; saúde mental; percepção