Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
INVESTIGAÇÃO DA CORRELAÇÃO ENTRE CARGA PARASITÁRIA QUANTIFICADA POR QPCR E RISCO CLÍNICO EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE VISCERAL
Laércio Medeiros, Rodrigo Feliciano do Carmo, Lucyo Flávio Bezerra Diniz, Breno de Araújo Dias

Última alteração: 2019-11-21

Resumo


A leishmaniose visceral é uma endemia causada pelo protozoário do gênero Leishmania e transmitida por vetor com reservatório em caninos. Doença grave, com manifestações gerais que por vezes torna o diagnóstico difícil e em tempo não hábil, o que aumenta a sua morbimortalidade. Os objetivos do trabalho foram estabelecer uma correlação entre a carga parasitária e o risco clínico em pacientes com Leishmaniose Visceral (LV) e descrever as características epidemiológicas, clínicas e laboratorial dos casos identificados no estudo. Foram realizadas avaliações epidemiológicas, clínica e laboratoriais para identificar fatores de risco e sintomas predominantes. Também foi realizada extração de DNA e posterior PCR em tempo real para obter a carga parasitaria, com posterior categorização em grupos crescentes de carga parasitaria denominados 0, +, ++ e +++. Foram coletados 19 pacientes, predominantemente homens, com média de idade de 37 anos, com procedência equivalente (rural/urbana). Os principais sintomas foram febre, astenia e desconforto abdominal. Observou-se também tamanho de baço e fígado alterados em grande maioria dos pacientes. Observou-se também uma diminuição de hemoglobina, leucócitos, neutrófilos, plaquetas e hiperalbuminemia além de valores alterados de Gama-GT e bilirrubinas. A carga parasitária aferida por citologia de aspirado de medula óssea foi quantificado em cruzes de acordo com o número de parasitos por campo em lente de grande aumento. Para termos de análise, categorizamos dois grupos, o primeiro contendo as amostras “0 e +” e o segundo com as amostras contenho “++” e “+++”. Quando associamos tal carga com as variáveis clínico laboratoriais contínuas vimos associação direta da carga parasitária com o valor da Gama-GT (p=0,016). As Bilirrubinas também mostraram associação direta utilizando-se a categorização da carga parasitária descrita acima (p=0,028). As associações da carga parasitária com as outras variáveis contínuas não se mostraram estatisticamente significante (p≥ 0,05). A carga parasitária determinada por qPCR utilizando-se amostras de sangue periférico relacionou-se inversamente com a presença de sangramentos ao diagnóstico, inversamente com o tamanho do baço e com o número de leucócitos.


Palavras-chave


Leishmania; PCR; Leishmaniose visceral.