Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Diferenças entre idade, sexo, nível de competições e modalidade esportiva nos comportamentos pró-sociais e antissociais de jovens atletas
Sofia Marques de Moura Fé, Amanda Fernandes Rocha, Jair Nunes Rocha, Rebeca Cruz Porto, Brenna Crisóstomo Rios Ferreira, Nathalya Silveira da Silva, Josefa Eugênia Tenório Tavares, Marina Pereira Gonçalves

Última alteração: 2019-11-19

Resumo


O esporte pode ser considerado como um dos principais fenômenos socioculturais da atualidade, portanto, é utilizado como dispositivo de lazer, socialização, reinserção social e promoção de saúde, independentemente de idade, sexo, classe social ou nacionalidade. Ademais, uma pesquisa realizada em 2015, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE apresentou que os maiores índices de praticantes de esporte estavam presentes na população jovem com faixa etária de 15 aos 24 anos com uma representação de 47% da amostra total do país. E também é sabido que o esporte favorece o desenvolvimento físico, psicológico e moral desses jovens, assim sendo justificado a necessidade de pesquisas com jovens num âmbito esportivo comportamental no Brasil. Nessa perspectiva, esse subprojeto objetivou verificar as diferenças entre idade, sexo, nível de competições e modalidade esportiva nos comportamentos pró-sociais e antissociais. Para tanto, participaram 218 jovens atletas, com idades variando entre 12 e 34 anos de idade (M=16,10; DP=3,6) que possuíam experiência com competições esportivas, de qualquer nível e de variadas modalidades esportivas. No que se trata ainda dos participantes, esses responderam: a Escala de Comportamento Pró-social e Antissocial no Esporte (Prosocial and Antisocial Behavior Sport Scale – PABSS) e Questionário Sociodemográfico. Os dados foram coletados em locais de treino e competições das equipes, antes das partidas, mediante assinatura de TCLE e foram analisados pelo SPSS (versão 25) por meio de estatísticas descritivas (medidas de tendência central e dispersão), análises de variância (ANOVA) a fim de analisar a influência do sexo, idade e nível competitivo nas atitudes comportamentais adotadas no esporte. Após verificação das análises, identificou-se que em relação aos comportamentos pró-sociais e antissociais em relação à idade, que os atletas mais velhos (25 aos 34 anos) pontuaram mais nos comportamentos antissociais para adversários (CAD) do que os atletas mais jovens (12 aos 24 anos). No que diz respeito ao sexo dos atletas, foi evidenciado que o sexo masculino (M= 2,37; DP= 0,88) pontou significativamente mais alto nos comportamentos antissociais com os companheiros de equipe (CAC) do que o sexo feminino (M= 2.18; DP=0,86). Quanto ao nível competitivo entre o grupo 1 (jogos escolares, municipais e estaduais) e 2 (regionais, nacionais e internacionais) não foram encontradas diferenças representativas. Estes resultados demonstraram que os comportamentos antissociais para adversários (CAD) e os comportamentos antissociais com os companheiros de equipe (CAC) possuem uma relação significativa entre esses comportamentos e os atletas com faixa etária mais velha e do sexo masculino. Nesse sentido, se faz necessário salientar que os estudos de comportamentos antissociais podem auxiliar na prevenção desse tipo de conduta comportamental, enquanto que as compreensões dos comportamentos pró-sociais podem contribuir promovendo condutas positivas como o crescimento do senso moral, que pode ser desenvolvido em diversos ambientes como em escolas e clubes de esporte, proporcionando o aprimoramento de práticas educacionais mais adequadas para o aprendizado e desenvolvimento moral de atletas, alunos e comunidade no geral. Todavia, em estudos futuros sobre comportamentos pró-sociais e antissociais no esporte são sugeridas outras variáveis, assim como também uma homogeneidade maior na composição amostral.

 


Palavras-chave


Psicologia; Esporte; Comportamento prossocial; Comportamento antissocial; Jovens.