Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA E ANTINOCICEPTIVA OROFACIAL DO TETRAHIDROLINALOL EM CAMUNDONGOS
Rodrigo José de Sousa Gonçalves, Pedro Antônio Almeida Aguiar, Caroline Guimarães Fonseca Chieco, Juliana Sousa Rocha, Melquisedec Abiará Dantas Santana, Anekécia Lauro Silva, David Fernandes Lima, Diogo Vilar Fônseca

Última alteração: 2019-11-07

Resumo


A inflamação é uma cascata de eventos fisiológicos os quais buscam promover proteção aos tecidos e órgãos, por vezes trazendo efeitos deletérios, dentre esses, a dor. Desta forma, a dor é um sinal do processo inflamatório que afeta milhões de pessoas em todo o mundo e impõe uma carga clínica, econômica e social significativa à sociedade. Dentre as condições dolorosas, merecem destaque aquelas provenientes da região orofacial, pois impactam a qualidade de vida, seguido do prejuízo das horas de sono, perda de dia de trabalho, dificuldade na ingestão de alimentos e medicamento podendo levar a uma modificação na dieta. Neste sentido, o tetrahidrolinalol (THL) surge como uma possível alternativa por apresentar um potencial terapêutico satisfatório descrito na literatura, no entanto, ainda não há evidencias da sua atividade antinociceptiva na dor orofacial  em camundongos. Assim sendo, o objetivo desse trabalho é avaliar o efeito do tetrahidrolinalol na dor orofacial em camundongos. Para a realização dos experimentos, foram utilizados camundongos (Mus musculus) Swiss, machos com três meses de vida, pesando entre 25-35g. Trinta minutos antes da realização dos testes farmacológicos, foi realizada a administração do veículo, três doses (75, 100 e 125mg/kg) do THL por via intraperitoneal, ou dos controles positivos. A atividade antinociceptiva no modelo de dor orofacial foi investigada utilizando o teste do glutamato e da formalina. Todos os procedimentos experimentais foram previamente submetidos à análise e aprovação de Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da UNIVASF sob número 0001/280918. No teste do glutamato, os grupos tratados com o THL nas doses de 100 mg/kg e 125mg/kg foram observados uma diminuição significativa da resposta nociceptiva quando comparado ao controle positivo. Em relação ao teste da formalina, tanto na primeira quanto na segunda fase, não foi observada diferença significativa com os grupos tratados com todas as doses de THL quando comparado ao grupo tratado com o controle positivo. Desta forma, com os nossos resultados obtidos foi possível concluir que o THL apresentou uma satisfatória atividade antinociceptiva frente aos teste de nocicepção orofacial induzida pela formalina e glutamato devido a uma possível resposta anti-inflamatória sendo imprescindível a realização de testes para esta confirmação. Além disto, para sua utilização segura há a necessidade da realização de testes toxicológicos e, caso possua baixa toxicidade, será importante realizar outros testes comportamentais para confirmar os resultados aqui obtidos e para estabelecer outras possíveis atividades farmacológicas desta substância.


Palavras-chave


antinocicepção; analgésico; dor; farmacologia; tetrahidrolinalol.