Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
ESCUTA CLÍNICA DE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA EM GRUPOS INTERVENTIVOS COM UNIVERSITÁRIOS
Melina Pinheiro Gomes de Souza, Ana Lícia Pessoa Nunes, Shirley Macêdo

Última alteração: 2019-11-07

Resumo


A escuta é um dispositivo de cuidado do psicólogo durante seu exercício profissional, porém a experimentação dela acontece de forma tardia durante o curso da graduação. Assim,  como competência, ela não pode ser ensinada apenas como conteúdo teórico, mas, ao longo da formação em Psicologia, necessita ser experimentada na prática pelo estudante, antes mesmo do estágio obrigatório. Entretanto, pesquisas mostram que esses sujeitos sentem falta de vivenciar experiências que apenas lhe são possibilitadas durante o estágio obrigatório e que eles estariam mais preparados competentemente para este e ao futuro profissional se essas atividades ocorressem durante todo o curso. É nos serviços escola, porém, os espaços nos quais comumente o estagiário de Psicologia iniciará suas práticas, vivenciando impasses de várias ordens, como, por exemplo, a prestação de serviço a usuários universitários, com os quais compartilha de realidades sociais semelhantes. Diante disso, o objetivo desta pesquisa foi compreender experiências de processos envolvidos na prática da escuta clínica de estudantes de Psicologia ao conduzir grupos interventivos com outros universitários, buscando, especificamente, descrever  sentidos dessas experiências para a formação desses estudantes; apontar atravessamentos envolvidos; identificar possíveis conhecimentos, habilidades e atitudes desenvolvidos, assim como desafios enfrentados e ganhos de aprendizagem obtidos. A partir de uma pesquisa fenomenológica interventiva, utilizou-se o método da hermenêutica colaborativa e 14 encontros de supervisão foram promovidos, tendo-se como colaboradores uma psicóloga, uma docente e oito estudantes de Psicologia que conduziam dois grupos interventivos com universitários que buscaram ajuda psicológica. O instrumento utilizado foi a Versão de Sentido, que consiste em um breve relato escrito logo após um encontro. Os dados foram analisados fenomenologicamente a partir dos seguintes passos 1) Leitura integral da VS por cada autor no encontro de supervisão posterior a cada atividade de grupo interventivo; 2)  Exploração de significados de acordo com o diálogo promovido nos encontros de supervisão; 3) Presentificação do sentido da VS a partir de consenso entre a equipe de supervisão e o autor da VS; 4) Síntese dos processos vividos por cada equipe de supervisão, realizada pela equipe de pesquisa e enviada aos colaboradores por e-mail para confirmação, negação ou ajuste; 5) Síntese das experiências tais como vividas por todas as equipes de supervisão, de acordo com o que de comum foi expresso no conjunto total de VS’s. Os resultados levaram a concluir,  principalmente, que os estudantes: vivenciaram um processo de crescimento pessoal e desenvolvimento profissional, permeado por um encantamento pela Psicologia; estiveram atravessados pelas realidades psicossociais dos universitários atendidos, mas conseguiram, atentos aos próprios limites, reconhecer a necessidade de um processo pessoal e internalizar as bases de uma matriz de identidade profissional; aprenderam a sistemática do método, sendo as supervisoras e os colegas essenciais no processo de aprimoramento da escuta. Evidencia-se, portanto, a necessidade de redes de apoio para os universitários e melhorias no processo de capacitação do estudante de Psicologia, visando seu futuro ingresso no mercado de trabalho.



Palavras-chave


Sofrimento Universitário; Escuta Clínica; Formação do Psicólogo; Pesquisa Fenomenológica; Serviço Escola.