Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DA APLIACAÇÃO DA ESCALA DE BRADEN NO CONTEXTO DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO SEMIÁRIDO NORDESTINO
Antonio Arilson de Lima Costa, Idalina Reis Castro, Jussara Araujo Rodrigues, Ivina Isabel Macedo cavalcanti, Gloria Maria Pinto Coelho, Kátia Simoni Bezerra Lima

Última alteração: 2019-11-14

Resumo


O uso da escala de Braden, é utilizada para avaliar, de forma preventiva, o risco para desenvolver lesão por pressão (LPP). O conhecimento dos mecanismos fisiopatológicos e dos métodos de tratamento e prevenção da LPP configuram-se como ferramenta essencial aos profissionais que atuam nos serviços de saúde. O uso de tecnologias e técnicas preventivas, promover medidas de prevenção e tratamento à LPP configura-se como ferramenta essencial aos profissionais que atuam nos serviços de saúde. Por ser apontada como um problema de saúde pública de grande relevância, implicando em expressivos gastos nos serviços de saúde, a LPP necessita de métodos articulados ao uso de tecnologias, como o uso da escala de Braden, visando a mitigação dessa problemática no contexto hospitalar. O objetivo desse trabalho foi investigar o preenchimento da Escala de Braden pela equipe de enfermagem num Hospital Universitário de Petrolina-PE. Trata-se de um estudo com abordagem quantitativa e descritiva. O estudo foi realizado nas unidades de internamento do HU-UNIVASF. Os sujeitos da pesquisa são os profissionais de enfermagem que atuam na assistência direta e os prontuários dos pacientes submetidos a tratamento nos setores de internamento do HU- UNIVASF. Os dados foram coletados por meio de um questionário estruturado e posteriormente digitados em planilhas de Excel®. A pesquisa tem aprovação do Comitê de Ética/UNIVASF nº 3.616.821. Foram avaliados 32 prontuários de pacientes internados no setor de Clínica Médica, UTI, Sala Amarela e Sala Verde do HU-Univasf, em outubro de 2019, sendo 56,25% do sexo masculino e 43,75% do sexo feminino. A maioria dos pacientes encontrava-se na Clínica Médica representando 43,75% dos internamentos analisados; 31,25% na UTI e, na Sala Amarela e Sala Verde 12,5%, cada. A LPP não foi identificada em 71,9% dos pacientes no momento da admissão, enquanto 28,1% já apresentavam LPP. A avaliação da escala de Braden foi efetuada na admissão de todos os pacientes que tiveram os prontuários analisados, sendo a pontuação média nessa primeira avaliação de 7 pontos. Entretanto, em 78,1% dos pacientes não foi realizada uma nova avaliação da escala de Braden durante o período de internamento que foi em média 10,5 dias. Em 21,9% dos casos, observou-se uma média de duas reavaliações da escala de Braden durante o internamento, obedecendo o intervalo de 7 dias entre as avaliações, conforme é preconizado. O estudo está em andamento, no entanto, observa-se algumas problemáticas relativas à utilização da escala de Braden como instrumento para avaliação e prevenção das LPP, indicando uma lacuna a ser trabalhada na assistência com os profissionais envolvidos.

 


Palavras-chave


Palavras-chave: Lesão por pressão; Promoção à saúde; Processos assistenciais.