Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Perfil microbiológico de Klebsiella pneumoniae isoladas do Hospital Universitário de Petrolina, PE.
Franci Joanes Nery de Oliveira Junior, Andreza Cardoso Loiola, Andrea Vieira Colombo, Carlos Henrique Araújo Dias, Carine Rosa Nauer, Matheus Matiuzzi da Costa

Última alteração: 2019-11-12

Resumo


Klebsiella pneumoniae tem emergido como um patógeno relevante em infecções relacionadas aos cuidados de saúde nos últimos anos. Além de apresentarem resistência a diversos antimicrobianos, a capacidade de formar biofilmes em dispositivos médicos,contribuem para sua virulência e para o insucesso da antibioticoterapia e erradicação da bactéria no ambiente hospitalar. Este estudo teve como objetivos avaliar a capacidade de formação de biofilme e determinar o perfil de resistência aos antibióticos de K.pneumoniae isoladas de indivíduos internados no Hospital Universitário da UNIVASF(HU), em Petrolina. O perfil de resistência aos antibióticos foi determinado a partir da análise de dados pelo sistema automatizado Phoenix® 100 BD Laboratório de Análises Clínicas do HU. A capacidade de produção de biofilme dos isolados clínicos foi realizada in vitro pela quantificação da biomassa em biofilme estático. Do total de 100 isolados obtidos do HU, 61% (n=61) foram considerados potenciais produtores de carbapenemase pelo Phoenix®. Destes isolados, 22 amostras foram confirmadas como carreadoras dos genes NDM (7,0%), OXA-48(0%) ou KPC (22,7 %) pelo teste imunoenzimático RESIST-3 O.K.N (CORIS Bioconcept) e multirresistentes (MDR).Todas as amostras foram ESBL positivas e 45,5% foram resistentes à colistina. As cepas foram provenientes de diferentes amostras clínicas, com predominância dos isolados de swab retal (65%) e amostra urinaria (17%). Todas as amostras MDR formaram biofilme, sendo um total de 82% das cepas classificadas em forte ou moderada capacidade de produzir biofilme (DO600= 0,289 – 1,59±0,113). A presença de K. pneumoniae multirresistentes, produtoras de carbapenemases e boas formadoras de biofilme servem de alerta para o risco encontrado neste ambiente hospitalar, uma vez que opções terapêuticas disponíveis para as cepas circulantes em questão encontram-se reduzidas.

Palavras-chave


Klebsiella pneumoniae; Biofilme; multirresistentes