Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Modelos para a estimativa da área foliar de mangueira cv. Palmer
Gabriella Amaral Braga, Marcos Rodrigues, José Luiz Silva, Ester Regis

Última alteração: 2019-11-12

Resumo


Técnicas para medir a área foliar são fundamentais para avaliar o crescimento vegetal de plantas de mangueira. Portanto, os objetivos deste trabalho foram: determinar a área foliar de plantas de mangueira cv. Palmer utilizando modelos matemáticos propostos pelo presente trabalho, e comparar os resultados dos modelos propostos com modelos disponíveis na literatura para outras cultivares de mangueira. Para isto, foi simulado a folha de mangueira por meio de dois modelos geométricos distintos: Elípse e uma pétala de rosácea, em função do comprimento (C) e largura (L) da folha. Também foram testados modelos já existentes na literatura que foram obtidos para outras cultivares. Foram obtidos com o emprego do software ImageJ os valores das áreas foliares, sendo adotados como seus valores reais e posteriormente comparados com os valores obtidos pelos modelos geométricos. Por meio da validação cruzada foram testados a qualidade de predição dos modelos. Os modelos propostos pelo presente trabalho não foram superiores aos melhores modelos já existentes na literatura. O modelo AF = 3,80 + 0,67 (CL) desenvolvido por Lima et al. (2012) obteve o melhor desempenho com erro médio absoluto percentual (EMAP) de 3,78%. Utilizando-se apenas o comprimento o melhor modelo foi o AF=0,0142C^2+6,1902C-49,444 de Silva et al. (2015) com EMAP de 4,07%. Portanto, o uso de modelos matemáticos se mostrou uma adequada opção para a estimativa de da área foliar de mangueira cv. Palmer. Adicionalmente, o uso do R2 como única forma de avaliação de qualidade de modelos pode gerar erros na escolha do melhor modelo.

Palavras-chave


fruticultura; Mangifera indica L.; modelagem matemática; semiárido