Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Prevalência e Incidência de zoonoses emergentes e reemergentes e suas correlações com o índice de vulnerabilidade social no Município de Petrolina (PE)
Vanessa Inoue, Marcelo Domingues de Faria, Mauricio Horta, João Alves do Nascimento Junior, Larissa de Sá Carvalho

Última alteração: 2019-11-25

Resumo


INTRODUÇÃO: Na vigilância epidemiológica, as doenças emergentes e reemergentes são associadas à descoberta de agentes até então desconhecidos. São definidas como zoonoses, doenças que são transmitidas naturalmente entre animais vertebrados e seres humanos. O índice de vulnerabilidade social tem sido amplamente utilizado por gestores como instrumento de planejamento de ações corretivas e para desenho de políticas públicas, a fim de atingir o cerne das necessidades e carências do território estudado. OBJETIVO: Identificar o coeficiente de incidência das zoonoses emergentes e reemergentes e suas correlações com o índice de vulnerabilidade social do Município de Petrolina (PE). METODOLOGIA: Caracteriza-se como estudo descritivo, exploratório, com adoção de preceitos metodológicos de abordagem quantitativa. A coleta dos dados foi realizada por meio de dados secundários da Secretaria Municipal de Saúde e por questionário validado, utilizado pelo IBOPE Inteligência, ocorrido nas eleições municipais de 2016 do referido município, sendo adaptado somente o valor do salário mínimo do ano de 2016 para o de 2017. Para participar da pesquisa, o indivíduo deveria residir na zona urbana de Petrolina e ser o responsável pelo domicílio abordado. Não foram entrevistados menores de 18 anos de idade e pessoas que se encontrem em grupos vulneráveis (deficientes mentais, moradores de rua, indígenas, crianças e adolescentes). Para desenvolver o Índice de Vulnerabilidade Social do Município de Petrolina (PE), os dados foram analisados com o software Statistical Analysis System (SAS®). Para realizar a análise multivariada fatorial, foi utilizado o método de rotação denominado Quartimax. Para a associação entre vulnerabilidade x doença, utilizou-se o teste qui-quadrado. Foi traçado o perfil epidemiológico da cidade. Leishmaniose visceral, atendimento antirrábico, malária e febre tifoide são as principais zoonoses emergentes e reemergentes do município de Petrolina. RESULTADOS: O coeficiente de incidência em Petrolina (PE) para atendimento antirrábico variou de 6,035, em 2007 e 1,242 em 2017, tal índice teve uma queda nas suas taxas. No mesmo período o coeficiente de incidência de leishmaniose visceral para Petrolina variou entre 0,072 e 0,265 casos por mil habitantes e leishmaniose cutânea com 0,0034 casos. A incidência da malária em Petrolina na última década apresenta-se controlada, com aspecto uniforme, mostrando que, além de baixa, também não apresenta mudanças no seu comportamento epidemiológico. A incidência da febre tifoide na última década apresentou pequeno aumento entre os anos de 2012 a 2016, sendo de 0,0034 e 0,0204 respectivamente. O município de Petrolina apresenta aproximadamente 108.566 pessoas (50% da sua população) vivendo em situação de vulnerabilidade muito baixa; 40.712 pessoas (18,75%), em média vulnerabilidade; 33.937 pessoas (15,63%) com vulnerabilidade alta e muito alta; 20.336 pessoas (9,38%) com vulnerabilidade baixa; e cerca de 13.592 pessoas (6,26%) vivendo em baixíssima vulnerabilidade. Ao desenvolver o índice de vulnerabilidade social, o presente trabalho mostra sua importância para o desenho de políticas públicas para o município de Petrolina, dando aos gestores uma ferramenta para análise e aprimoramento dos dados obtidos. CONCLUSÃO: As zoonoses não possuem associação com a vulnerabilidade social do município. No entanto, faz-se necessário políticas públicas para melhoramento de condições socioambientais, consideradas fatores de risco para algumas doenças.



Palavras-chave


Saúde Pública. Indicadores de Saúde. Vulnerabilidade Social. Epidemiologia