Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DE POPULAÇÕES SEGREGANTES DE MELANCIA QUANTO À REAÇÃO AO OÍDIO EM SISTEMA AGROECOLÓGICO DE PRODUÇÃO
AMANDA ESDRAS OLIVEIRA FERNANDES, Izaias da Silva Lima Neto, Mariana Neto Rosa Lima, Milenna Silva Guirra, Mayanne Mendes do Nascimento

Última alteração: 2019-11-20

Resumo


O oídio é uma das doenças mais destrutivas da cultura da melancia no Vale do Submédio São Francisco. Dada a importância do controle genético para o manejo desta doença e a existência de populações segregantes geradas pelo programa de melhoramento da cultura da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), objetivou-se com esse trabalho avaliara reação das mesmasao oídio, visando a seleção de progênies mais adaptadas ao sistema agroecológico de produção. Os experimentos foram realizadosem 2018, no Setor de Agroecologia/Olericultura, situado no Campus de Ciências Agrárias da UNIVASF, em Petrolina-PE. Realizou-se um experimento em ambiente protegido com infecção sob inoculação artificial, com concentração de conídios de 3,25x104 e 3,4x104 esporos/ml aos seise 35 diasapós o transplantio (DAT), respectivamente, e um experimento em campo, sob infecção natural.Avaliou-secinco populações segregantes e quatro cultivares comerciais como testemunhas.A severidade da doença foi avaliada por meio de duas escalas de notas, sendo uma relacionada à severidade nas folhas e outra à severidade na planta. A primeira escala foi aplicada nas folhas que se apresentaram mais infectadas pelo oídio, em três partes da planta (base, terço mediano e final do comprimento da rama), atribuindo-se notas para a quantidade de colônias do patógeno, onde: nota 0 = ausência de colônias; nota 1= até cinco colônias por folha; nota 2 = mais de cinco colônias por folha. A segunda escala foi feita atribuindo-se notas para a planta toda, a saber: 1 – até 10% das folhas necrosadas pelo oídio; 2 – de 11 a 25% das folhas necrosadas pelo oídio; 3 – de 26 a 50% das folhas necrosadas pelo oídio; 4 – de 51 a 75% das folhas necrosadas pelo oídio; e 5 – acima de 75% das folhas necrosadas pelo oídio. As avaliações de incidência e severidade em ambiente protegido foram realizadas por dois avaliadores treinados, aos 25 dias após a segunda inoculação.Como as condições ambientais do Vale do Submédio São Francisco são muito favoráveis ao oídio, as avaliações dos acessos de melancia ao oídio em campo foram feitas sob infecção natural, no período de colheita (89 DAT). Em ambiente protegido as populações 1 e 4 apresentaram médias baixaseboa resistência ao oídio. Em condição de infecção natural em campo as populações 1 e 4 também mostraram-se com as menores médias para todas as variáveis analisadas, confirmando-as como as populações com maior grau de resistência ao oídio. Embora tenhamsido obtidos poucos frutos oriundos de autofecundação, sementes endogâmicas das melhoresplantas destas duas populaçõespoderão ser utilizadas para dar continuidade ao programa de melhoramento genético, visando avaliar plantas F3. As populações 1 e 4 foram mais resistentes ao oídio, em ambiente protegido e campo, sendo escolhidas para as próximas etapas do programa de melhoramento de melancia.


Palavras-chave


Citrullus lanatus; Oidium sp.; Controle genético