Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Distribuição espacial e abundância de ninhos de Nasutitermes sp. (ISOPTERA: TERMITIDAE) no Parque Estadual das Sete Passagens, Miguel Calmon, Bahia, Brasil
Beatriz Hanna dos Santos Oliveira, Edilane Silva Leite, Airton de Deus Cysneiros Cavalcanti, Estevan Eltink Nogueira

Última alteração: 2019-11-11

Resumo


Os cupins (Isoptera) são insetos sociais que possuem uma grande capacidade de adaptação aos mais diversos ambientes para se alimentar de matéria vegetal. São considerados “engenheiros do ecossistema” visto que atuam nos processos de decomposição, modificação do solo e ciclagem de nutrientes. Nasutitermes é um dos gêneros de cupins mais importantes da região neotropical, conseguindo viver em diversos tipos de ambientes, desde naturais, antropizados e até áreas urbanas. São considerados “coletores” que forrageiam na superfície consumindo madeira, folhas e serapilheira depositadas na superfície do solo, além de acumular grandes quantidades do material coletado em seus ninhos. Apesar de sua importância ecológica, os estudos sobre o gênero são relativamente escassos, ainda mais em regiões de elevação atitudinal, como o Parque Estadual das Sete Passagens (PESP). O parque fica situado no município de Miguel Calmon e Jacobina – BA, com altitudes que variam entre 600 a 1300 m, estando inserido em um conjunto de maciços residuais denominado de Serra de Jacobina. Áreas de Campo Rupestre e Floresta Estacional Semidecidual são predominantes no parque. O objetivo deste trabalho foi analisar a influência da Floresta Estacional Semidecidual sobre a distribuição de abundância e volume dos ninhos de Nasutitermes sp., verificando se haveria uma maior quantidade cupinzeiros próximos à fragmentos de matas, posto que, são locais com maior disponibilidade de nutrientes. Para coleta de dados foram analisados a quantidade e volume dos ninhos epígeos do gênero. A amostragem foi realizada através de parcelas de 50m x 10m ao longo de um gradiente de Cerrado Rupestre próximo às Matas de Capão do PESP. Outros dados como posicionamento do ninho dentro da parcela, temperatura, umidade, orientação magnética dos cupinzeiros também foram coletados à fim de correlacionar essas variáveis com a abundância dos mesmos. Foram aplicados os testes de regressão, índice de Morisita, coeficiente de correlação de Spearman e ANOVA para análise de dados no Programa R (versão 3.5.2). Uma maior abundância de cupinzeiros foi observada próxima às matas, entretanto, sem encontrar nenhuma relação entre volume dos ninhos com sua proximidade da mata. A maior concentração de cupinzeiros nestas áreas poderia ser relacionada a um maior aporte de material vegetal nesse local, todavia sem alteração volumétrica. Verifica-se que ninhos maiores possuem um maior volume para protegê-los de lesões ou distúrbios, na qual o tamanho do cupinzeiro está relacionado com a maturidade da colônia do que à área de recurso. Os ninhos de Nasutitermes sp. possuem uma distribuição uniforme, assim mantendo uma distância mínima entre si. A equidistância entre os cupinzeiros pode ser considerada uma resultante de competição de recursos. A maioria dos cupinzeiros apresentou uma orientação preferencial com direção para o eixo norte-sul. Entretanto, não houve correlação significativa com melhores condições térmicas. Por fim, esse estudo demonstra a relação espacial e de abundância dos cupinzeiros de Nasutitermes com diferentes tipos vegetacionais, demonstrado a potencialidade para estudos ecológicos com tais insetos sociais em região de altitude como na Serra de Jacobina.

 


Palavras-chave


Distribuição Espacial; Abundância; Cupins; Orientação; Nasutitermes.