Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Geografias do Envelhecimento: Compartilhando histórias de vida em rodas de conversa sobre envelhecer e os seus dilemas.
Valéria Cunha Rodrigues, Pedro Ricardo da cunha Nóbrega, Érica Saane Miranda Alves, Lucas dos Santos Silva

Última alteração: 2019-11-21

Resumo


Este trabalho é fruto de pesquisas realizadas a partir do Projeto de Extensão “Geografias do Envelhecimento: Compartilhando histórias de vida em rodas de conversa sobre envelhecer e os seus dilemas” realizado no período de 2018 a 2019. O ato de envelhecer faz parte do ser, e no atual cenário demográfico é cada vez mais impossível ignorar a realidade e a importância do envelhecimento humano. Nessa perspectiva, o projeto buscou compreender tanto os aspectos em torno da velhice e do envelhecimento, quanto às implicações destes no processo de produção e reprodução da própria cidade, e na construção das várias geografias do envelhecimento, tendo como objetivo central recuperar por meio de rodas de conversa, relatos de vida de uma parcela dos velhos da cidade de Senhor do Bonfim- BA, e dilemas que perpassam o ato de envelhecer. Desde o início dos tempos até os dias atuais a comunicação sempre se apresentou ao homem como uma necessidade vital, e que ao longo dos séculos vem sofrendo aperfeiçoamentos e adaptações. Dentre tais comunicações, está a narrativa oral a qual foi aqui tomada como instrumento de coleta de dados, e de empoderamento da fala dos sujeitos velhos, através de rodas de conversa. Dessa forma, tal material tem fundamento em abordagens qualitativas da pesquisa social. O projeto contou também com uma bibliografia bastante enriquecedora, tendo a colaboração de autores como Fernández, Karpf, Fredmann, Mascaro, Beauvoir, Goldenberg, entre outros. As atividades da pesquisa foram divididas em: levantamento bibliográfico; sistematização dos temas a serem discutidos nos encontros; envolvimento e registro em cada momento de diálogo; análise dos dados coletados e a elaboração do material final. Os encontros possibilitaram o desdobramento de diálogos e ambientes de intensa troca de experiência, realizados com aproximadamente 30 velhos da cidade de Senhor do Bonfim-BA, de idade igual ou superior a 60 anos. Dentre os vários temas abordados, podemos destacar a acessibilidade e mobilidade, moradia, educação, trabalho e renda. Percebeu-se que as condições de acessibilidade dos espaços públicos, praças e parques urbanos, são reduzidos, bem como a mobilidade, inibindo assim a participação ativa dos velhos. Em relação a moradia, identificou-se que as mesmas não apresentam adaptações às condições da velhice, mas eles revelaram que isso não interfere no conforto, demonstrando satisfação com suas residências. Grande parte sabe ler e escrever, mas poucos possuem ensino médio ou superior, decorrente principalmente da falta de oportunidade em frequentar a escola, algo motivado por questões tais como o trabalho por exemplo. Muitos relataram que durante o percorrer da vida a renda resultou de empregos remunerados, ganhando em dinheiro, produtos, mercadorias ou benefícios, sem que houvesse a assinaram das carteiras de trabalho. Atualmente, mesmo recebendo aposentadoria, boa parte ainda trabalha, com o propósito de melhorar a renda do seu núcleo familiar. De modo geral, e apesar de se sentirem bem com tal realidade, pôde-se perceber que há uma grande carência tanto de políticas públicas que viabilizem uma participação mais ativa desses sujeitos, quanto de uma rede de solidariedade que garanta aos velhos o direito à cidade.


Palavras-chave


Geografia do Envelhecimento, Rodas de Conversa, Envelhecimento Humano