Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DO EFEITO DE UM JOGO DE SIMULAÇÃO PARA EDUCAÇÃO GEROTONTOGERIATRICA DE ESTUDANTES DE SAÚDE
Izabel Luiza Batista Oliveira, Larissa Oliveira Proence, Daniel Lopes Cruz, Daniel Tenório da Silva

Última alteração: 2019-11-07

Resumo


INTRODUÇÃO: Os idosos representam o grupo etário com maior número de admissões hospitalares, o que significa que a maior parte dos profissionais irão enfrentar os desafios envolvidos no cuidado a esses pacientes. O modelo tradicional de ensino tem sido questionado por apresentar limitações quanto à capacidade de formar profissionais aptos a responderem às demandas sociais atuais, como ter habilidades comunicacionais e culturais ou capacidade para resolver problemas que vão além do conhecimento teórico. OBJETIVO: O objetivo foi analisar o impacto de uma ferramenta de simulação realística nas competências gerontogeriátricas dos estudantes. METODOLOGIA: Foi realizado um estudo quantitativo, longitudinal e prospectivo. A metodologia foi dividida em três fases principais: avaliação inicial das competências dos estudantes (pré-teste), aplicação do Jogo do Envelhecimento Humano e avaliação final das competências dos estudantes (pós-teste). A metodologia foi dividida em três fases principais: avaliação inicial das atitudes dos estudantes (pré-teste), aplicação do Jogo do Envelhecimento Humano e avaliação final das atitudes dos estudantes (pós-teste). Para comparação das atitudes dos alunos antes e após o Jogo foi utilizada a “Escala de Atitudes em Geriatria” (GAS). O conhecimento do estudantes acerca dos temas gerontogeriátricos foram avaliados por meio do “Facts on Aging Quiz” (FAQ). O jogo foi constituído por cinco estações com diferentes cenários e situações sobre aspectos biopsicossociais do processo de envelhecimento humano. Incluía as seguintes atividades: Dificuldades de locomoção; Problemas visuais; Problemas auditivos; Perda gustativa; Polifarmácia e uso do medicamento; Perda Funcional em situação de Acidente Vascular Cerebral; Alteração no tato. A aplicação da ferramenta educativa – “Jogo do envelhecimento Humano” foi realizada em duas turmas, no primeiro (G1) e sétimo período (G7) do curso de Farmácia da Univasf. RESULTADOS: Entre os 20 estudantes a média de idade foi de 20,0 e 22, 7 anos nos alunos do 1º e 7º período. Após utilização do Jogo do Envelhecimento Humano, as atitudes dos estudantes em relação aos idosos obtiveram modificação significativa. A média da GAS antes da utilização do jogo foi 3,74(±1,17) e depois 4,17(±1,17) na turma G1 e no G7 foi de 3,86(±0,54) antes da utilização do jogo e 4,18(±0,23) após. Dos 14 itens com atitudes desfavoráveis, apenas um dos itens os estudantes demonstraram atitudes desfavoráveis. Em relação aos quatro subdomínios da GAS, ANOVAs mostraram diferença significativa nas atitudes em relação aos idosos entre os subdomínios depois do uso do jogo. Quando comparados, os resultados da avaliação pré-teste e pós-teste do FAQ não indicaram elevação significativa do conhecimento dos estudantes sobre os temas gerontogeriátricos quando comparados os escores antes e depois. CONCLUSÕES: O presente estudo apontou que a metodologia de simulação realística por meio do Jogo do Envelhecimento Humano teve impacto significativo nas atitudes dos estudantes, porém não foi observada modificação significativa nas competências relacionadas ao conhecimento.


Palavras-chave


Simulação realística; Envelhecimento Humano; Educação.