Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
A IMERSÃO NA RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA DE SOCIOLOGIA: compreensões da estrutura escolar no processo de ensino e aprendizagem.
Luiz Ricardo Costa Molina, Henrique Silva Angelo

Última alteração: 2019-11-23

Resumo



“A educação é uma instância ideológica: produz e reproduz formas de consciência que orientam e permeiam completamente os processos educativos.” (ALMEIDA; FILHO, 2016, p 156).  No Brasil, a educação assume também a forma de produção de mão de obra barata e aprofunda as relações de dependência com o capital estrangeiro, especificamente dos conglomerados de educação, como a DeVry dona de seis instituições no país, ou a brasileira Kroton-Anhanguera que é a maior do país.A Kroton-Anhanguera é responsável por 31% dos livros didáticos utilizados no ensino público (O GLOBO, 2018), Dessa forma lucrando com a produção e formando intelectualmente os estudantes de acordo com seus princípios ideológicos. Os colégios Modelos foram criados pelo Senador Antônio Carlos Magalhães em 1998 de acordo com o ato oficial nº 7.293 no Diário Oficial do Estado. No colégio Modelo Luiz Eduardo Magalhães em Juazeiro - BA essas relações se apresentam de forma bastante agudizada em relação à maioria das escolas da região, isso se deve à uma cultura de “excelência” baseada em resultados quantitativos em relação às notas dos estudantes. Tal processo é fruto da ideologia dominante e que permeia o programa de articulação de colégios Modelos pela Bahia.Essa problemática surge a partir da experiência da residência Pedagógica em Sociologia, que me provocou a busca por compreender como a divisão de alunos por sala, tendo como critério o resultado numérico de notas, fruto da cultura de “excelência” afeta o processo de ensino-aprendizagem, em favorecimento da forma como o colégio se apresenta diante da sociedade e em especial das empresas que buscam nesse local, futuros trabalhadores.Esse trabalho tem como objetivo discutir a aprendizagem do aluno em função da política de ensino, na qual busca o sistema seriado, sem abarcar as circunstâncias tanto do aluno, quanto do professor, não observando esses sujeitos em suas especificidades. Objetivamos também, desenhar alternativas que possam superar tais limitações, num aspecto geral, evitando individualizar as responsabilidades do processo, ou seja, buscando compreender o problema de forma multifacetada para não culpabilizar apenas o professor, como é recorrente nos discursos hegemônicos.    Para análise do problema foi utilizado referencial bibliográfico, elementos frutos da experiência imersiva na Residência Pedagógica- CAPES. Do período de setembro de 2018 até o presente momento. Para chegarmos às conclusões observamos o Projeto Político Pedagogico assim como observações dos residentes em sala de aula, então concluímos que tanto o modo de ensino seriado e prática de separação de turma por nota, dificultam um pleno processo de ensino-aprendizado, onde o aluno com mais dificuldades é cada vez mais relegado ao esquecimento, é perceptível que a formulação do programa de Colégios Modelos é um mecanismo ideológico de elitização do ensino público.

Palavras-chave


ensino; sociologia; ideologia