Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
EFEITO DO CLIMA EM POMAR DE VIDEIRA NA DINÂMICA POPULACIONAL DE MOSCA DO MEDITERRÂNEO
Francisco Rafael Candido Nascimento de Magalhães, Jadna Mylena da Silva Ferreira, Paulo Gustavo Serafim de Carvalho

Última alteração: 2019-11-14

Resumo


A viticultura na região semiárida destaca-se no cenário nacional, não apenas pela expansão da área cultivada e do volume de produção, mas também pelo alto rendimento e a qualidade da uva produzida. No entanto, existem alguns problemas de origem fitossanitária que vêm reduzindo a produtividade da cultura. Dentre eles, destaca-se a ocorrência da mosca-das-frutas (Ceratitis capitata). Esta praga afeta o fruto ainda no pé, causa danos estruturais e impede a sua comercialização in natura. Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do microclima na dinâmica populacional da mosca do mediterrâneo em pomares de videiras e estabelecer um modelo matemático preditivo para sua densidade populacional, levando-se em consideração variáveis climáticas e estratégia de combate para o município de Petrolina (PE). O experimento foi conduzido em uma fazenda exportadora de uva no período de abril a dezembro de 2018. O monitoramento da C. capitata foi realizado por meio de armadilhas do tipo Jackson iscada com o paraferomônio Trimedlure (TMD). As coletas foram realizadas a cada 15 dias, contabilizando o número de moscas e a troca do piso adesivo. As variáveis climáticas registradas foram: temperatura do ar (°C), umidade relativa do ar (%), umidade relativa do solo (%) velocidade do vento (m/s) e radiação solar global (MJ.m-²). As medições foram feitas a cada 10 minutos e médias diárias a cada 1 hora, registrados através do sensor HOBO®ware instalado a 1,5m do solo e estação meteorológica automática. Com os dados coletados, procederam-se as análises estatísticas preliminares entre as variáveis climáticas, estratégias de combate e a densidade populacional. Os modelos matemáticos foram obtidos por meio da regressão linear multivariada, levando-se em conta as variáveis climáticas selecionadas, presença de fruto e controle adotado pela fazenda. Dos 14 modelos obtidos, para prever a população de mosca (Y), pela combinação das variáveis, o mais representativo foi determinado contendo a umidade relativa do ar (UR), temperatura do ar (Tar), controle A (Ca) e B (Cb), e a presença de frutos na área (Fr). A equação obtida foi a seguinte: Y=UR x (−3,2) + Tar x (28,1) + Ca x (−59,1) + Cb x (−66,9) + Fr x (−112,4) − 358,1. Os coeficientes de determinação para os modelos de melhor e pior desempenhos tiveram valor máximo de 87% e 27%, respectivamente. Com o modelo matemático bem estabelecido, é possível concluir que existe correlação significativa entre as variáveis climáticas a dinâmica populacional de moscas, além da disponibilidade de hospedeiro e a adoção de controle. Estabelecer estratégias de manejo com base nesses parâmetros é imperativo para o sucesso da cultura. Sabe-se que o manejo da irrigação, da cultura e as técnicas de controle afetam diretamente a dinâmica populacional dentro do pomar. Desta forma, o monitoramento do microclima pode ser utilizado para aprimorar o manejo adotado no controle da praga, visto que é o fator que mais influência no comportamento da praga no cultivo de uva.


Palavras-chave


Ceratitis capitata; modelagem; Vale do São Francisco; viticultura