Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
INVESTIGAÇÃO DA ATIVIDADE ESPASMOLÍTICA DO BORNEOL EM MÚSCULO LISO DE TRAQUEIA ISOLADA DE RATO
LAURA GONÇALVES DA NÓBREGA, Fabricio Sousa Silva, Pedro Modesto Nascimento, Pedro Moreira Cavalcante, Luciano Augusto de Araujo Ribeiro

Última alteração: 2019-11-19

Resumo


Introdução: Asma é uma doença inflamatória crônica caracterizada por hiperresponsividade das vias aéreas e por limitação variável ao fluxo aéreo, reversível espontaneamente ou com tratamento, mesmo que em alguns casos os fármacos utilizados na terapêutica não tratem os indivíduos. As plantas medicinais aromáticas podem ser uma alternativa terapêutica e o borneol, monoterpeno abundantemente encontrado em óleos essenciais tem diversas atividades biológicas descritas na literatura. Objetivos: Avaliar a eficácia e potência do borneol, in vitro, em traqueia isolada de rato e seu mecanismo de ação espasmolítico. Métodos: Para avaliação da atividade espasmolítica foram utilizados anéis traqueais de ratos (Rattus norvegicus), machos, estabilizados em solução nutritiva no banho de órgãos. Contrações foram induzidas com carbacol 10 µM e KCl 60mM para testar a viabilidade do tecido e, após 30 minutos, uma segunda contração foi induzida. Durante o componente tônico dessa contração o borneol foi adicionado de maneira cumulativa e em concentrações crescentes (10-8 a 10-3 M). Para investigar o mecanismo de ação foi utilizado o KCl como agente contracturante e o borneol foi testado na presença de algumas ferramentas farmacológicas como a dexametasona, indometacina, L-NAME e ODQ. Resultados: Pôde-se observar que o borneol demonstra efeito máximo em contrações induzidas por KCl 60 mM, apresentando Emáx = 116% e exibindo diferença significante (p<0,05) quando comparado com o efeito relaxante na presença de CCh 10 µM (Emáx 23%). Quando as preparações foram pré-incubadas com as substâncias mencionadas na metodologia, não foi identificada uma redução na potência do borneol em relaxar o músculo liso contraído. Conclusões: Após avaliação dos resultados, observou-se que o efeito do borneol não foi modificado com o bloqueio da produção de eicosanóides ou interferência na via do óxido nítrico/guanilil ciclase, sendo necessários mais estudos para identificar o mecanismo de ação, possibilitando que borneol seja utilizado na produção de novos medicamentos para asma.

Palavras-chave


monoterpeno, borneol, efeito relaxante, asma