Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Perfil Clínico e sociodemográfico dos usuários do Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas de Juazeiro-BA
Karina Souza Silva, Angelo Augusto Silva Sampaio, Andre de Queiroz Constantino Miguel, Antonio Ferreira da Silva, Izabel Cristina Ferreira de Carvalho, José Ricardo Peixoto Coriolano, Rafael Alves Rodrigues, Ana Karoline Sarmento da Nóbrega

Última alteração: 2019-11-19

Resumo


O Transtorno por Uso de Substâncias (TUS) representa um problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Diante dessa realidade, os Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD) foram criados no Brasil, no contexto da Reforma Psiquiátrica, a fim de melhorar a assistência à saúde das pessoas que apresentam TUS, e como alternativa ao modelo de internação hospitalar. Compreender o perfil do público atendido nesse espaço é fundamental para desenvolver tratamentos baseados em evidências científicas. O objetivo deste estudo foi descrever o perfil clínico e sociodemográfico dos usuários do CAPS AD de Juazeiro-BA. Para isso, foi necessário descrever o perfil sociodemográfico e o histórico de tratamento dos usuários através de um instrumento padronizado; descrever a história e padrão de uso de substâncias dos usuários utilizando o Alcohol, Smoking and Substance Involvement Screening Test (ASSIST); e descrever indicadores de depressão e ansiedade dos usuários por meio do Inventário de Depressão de Beck-II (IDB-II) e Inventário de Ansiedade de Beck (IAB). Entre outubro de 2018 e abril de 2019, 49 usuários da unidade foram recrutados por conveniência. A maioria era do sexo masculino e com idade média de 42 anos. Muitos deles eram separados/desquitados e solteiros. Em relação à situação laboral, 47% estavam desempregados/afastados e apenas 6% estavam em empregos com registro formal. Mais da metade não chegou a completar o Ensino Fundamental, o que se reflete na média de anos de estudo dos participantes, que foi de 6,7 (DP= 3,4). A maioria dos indivíduos pertencia à classe social D-E (65,3%). A maioria já se tratou anteriormente (73,5%), já frequentou grupos de autoajuda (48,9%) e procurou tratamento com a intenção de parar o uso da substância (87,7%). Em relação ao uso de substâncias, 87,8% apresentaram indicação de intervenção pelo menos breve para o tabaco. Com relação a outras substâncias, 67,4% apresentavam indicação de intervenção pelo menos breve para o álcool, 49% para a maconha, e 55,1% para a cocaína/crack. A média do escore do IDB-II foi de 25,84, onde 63,2 % dos participantes da amostra apresentaram pelo menos depressão moderada. Destes, 26,5% apresentaram sintomas de depressão severa. Em relação à ansiedade, o escore médio no IAB foi de 20, e 51% apresentaram pelo menos ansiedade moderada. Os resultados oferecem uma melhor compreensão do perfil dos usuários que buscam tratamento para transtornos relacionados ao uso de substâncias em uma cidade do interior do nordeste do país.

Palavras-chave


uso abusivo de drogas; centro de atenção psicossocial; perfil sociodemográfico; perfil clínico; transtorno por uso de substâncias