Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Descrição do perfil clínico e epidemiológico em indígenas sem cardiopatias prévias da bacia do Rio São Francisco
LARA SODRÉ CARDOSO, NAYANE CAROLINA PERTILE SALVIONI, DR ANDERSON DA COSTA ARMSTRONG

Última alteração: 2019-11-19

Resumo


INTRODUÇÃO: Tendo em vista que as doenças cardiovasculares aumentam em elevados números a níveis mundiais, sabe-se que o estilo de vida orienta o caminho entre desenvolvimento de doenças e modo de viver. Dessa forma, as comunidades indígenas acabam também passando por esse processo de transformação socioeconômica advindos da urbanização, mudando o perfil de risco cardiovascular (RCV). Esse projeto investigou a influência da urbanização sobre o RCV de populações indígenas do Vale do São Francisco, notando mudanças clínicas e epidemiológicas dos perfis sociais indígenas.

OBJETIVO: Quantificar e qualificar o perfil clínico do grupo indígena Fulni-Ô na bacia do Rio São Francisco.

METODOLOGIA: O estudo foi realizado no Vale do São Francisco, entre fevereiro/2017 a julho/2018, do tipo observacional transversal. Os dados coletados do grupo indígena Fulni-Ô pela UNIVASF com um total de 55 participantes, representando os menos afetados pelas obras de transposição, com menor urbanização e forte relação com as tradições indígenas. A faixa etária foi maior ou igual a 30 anos e menor ou igual a 70 anos, na proporção de 1 homem : 1 mulher, de ambos os sexos. Para a exclusão, investigaram-se indígenas que apresentavam insuficiência cardíaca clinicamente manifesta, passado de evento coronariano que requeriu internação, insuficiência renal em diálise, histórico pregresso cirúrgico para procedimento cardíaco ou arterial periférico e histórico de doença cerebrovascular prévia. A coleta de dados e os exames físicos e complementares foram realizados na aldeia do Fulni-Ô.  As variáveis foram descritas em médias ± DP ou proporções. Diabetes foi estabelecido em uso de medicamento hipoglicêmico ou se HbA1c fosse > 6,5%. Dislipidemia foi estabelecida se em uso de medicamento hipolipemiante ou na presença de um dos critérios: redução de HDL (< 40 mg / dL em homens ou 50 mg / dL em mulheres); hipertrigliceridemia (TG maior que 150 mg / dL); e hipercolesterolemia (LDL maior que 160 mg / dL).

RESULTADOS: Um total de 55 participantes do Fulni-Ô foram estudados, sendo a maioria mulheres de meia-idade (média de 49 anos para sexo feminino e 48 anos para o sexo masculino), com 44 mulheres e 11 homens em números absolutos. Houve maior prevalência de hipertensão em mulheres, entretanto os homens apresentaram níveis de pressão arterial sistólica e diastólica elevados. Desses hipertensos, 23,9% estavam em uso de medicamentos e 45,4% encontravam-se com níveis tensionais elevados. Os níveis de Hba1c foram superiores ao normal com prevalência de diabete de 36%, tendo apenas 17% em uso de medicamento. Mais da metade dos indivíduos apresentou dislipidemia, tendo as mulheres níveis séricos menores de triglicerídeos e maiores de LDL-C e HDL-C. os números evidenciaram que a maioria são obesos ou acima do peso e tabagistas.

CONCLUSÃO: Através dos resultados analisados, encontraram-se fatores de risco e perfis clínicos que demonstraram necessidade de cuidado e de intervenção, devido ao elevado risco de desfechos cardiovasculares negativos, tendo em vista ser um povo excluído e marginalizando em muitos aspectos, inclusive na saúde.

 


Palavras-chave


carótida; placa ateromatosa; indígenas; AVC; subclínico; cardiologia