Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE LETRAMENTO EM SAÚDE NOS PACIENTES PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
Luana Resende Cangussú, Eduardo Antonio Sartori Alho, Anekécia Lauro da Silva, Diogo Vilar da Fonsêca, Romero Henrique de Almeida Barbosa, Matheus Rodrigues Lopes

Última alteração: 2019-11-12

Resumo


O letramento em saúde compreende as habilidades cognitivas e sociais que determinam a capacidade que o indivíduo tem de obter, processar, compreender e utilizar as informações médicas e dos serviços de saúde para tomar decisões pertinentes a sua própria saúde. Com o crescente aumento da prevalência das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), atualmente responsáveis por uma taxa de mortalidade de cerca de 70%, o entendimento das informações médicas é peça fundamental para que os pacientes recebam, processem e apliquem de modo efetivo as instruções passadas a eles no momento da consulta. Assim, o objetivo desse trabalho foi avaliar o nível de letramento em saúde e a qualidade de vida dos pacientes portadores de hipertensão arterial sistêmica (HAS) usuários do Sistema Único de Saúde no município de Paulo Afonso/BA. Trata-se de um estudo observacional analítico transversal realizado com 105 pacientes portadores de HAS através dos testes Short Assessment of Health Literacy for Portuguese-speaking Adults (SAHLPA-18), Short Test ofFunctional Health Literacy in Adults (S-TOFHLA) e do Mini-Questionário de Qualidade de Vida em Hipertensão Arterial (MINICHAL). A coleta de dados deste estudo ocorreu no período de agosto de 2018 a março de 2019. Para ambos os testes de letramento aplicados (SAHLPA-18 e S-TOFHLA) pode-se observar que cerca de 60% dos pacientes entrevistados não apresentaram letramento em saúde adequado.  Através das análises de correlações pode-se constatar que alguns fatores como maioridade, menor classe econômica e menor escolaridade foram associados com um letramento em saúde inadequado (P<0,01). Na avaliação da qualidade de vida, através do MINICHAL, 46,7% dos pacientes referiram que a hipertensão interfere na qualidade de vida. Foi também possível evidenciar que o tempo de diagnóstico e a classe econômica influenciaram na qualidade de vida dos pacientes (P<0,05). Os pacientes com maior tempo de diagnóstico de HAS apresentaram pior QV (p=0,04).Atualmente não se tem estudos de amplitude nacional que evidenciem o grau de letramento em saúde da população. Este estudo reflete o perfil do município, visto que conseguiu abordar amostras de 84% das estratégias de saúde da família. Devido a sua multidimensionalidade não existe um teste único e universal para avaliação do letramento em suas diferentes instâncias. No presente estudo optou-se por associar os dois testes distintos para fortalecer a pesquisa. A partir dos dados demonstrados foi possível observar que diferentes variáveis como idade, escolaridade e condições socioeconômicas exercem influência no nível de letramento em saúde e na qualidade de vida dos pacientes. A HAS é uma condição crônica que requer tratamento contínuo e que tem riscos de evoluir com complicações fatais e não fatais que podem afetar a qualidade de vida. Sendo assim, o entendimento é imprescindível para qualquer paciente, a fim de melhor se autogerenciar. A maior parte dos pacientes portadores de hipertensão deste estudo não apresentou letramento em saúde adequado, esse dado reflete a dificuldade de entendimento e processamento das informações em saúde, o que pode impactar diretamente no manejo terapêutico da doença.

 


Palavras-chave


Letramento em saúde. Hipertensão. Qualidade de vida. Educação.