Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Análise da capacidade anaeróbia e aptidão cardiorrespiratória de meninos praticantes de Futsal
Nathan Leonardo Gomes Costa, José Fernando Vila Nova de Moraes, José Roberto Andrade do Nascimento Junior, Hiago Andrei de Lima Pereira, Marcos Vinicius Santos Costa, Sandro Henrique Damasceno Rodrigues, Lucas Bezerra Amorim

Última alteração: 2019-11-22

Resumo


Crianças e adolescentes estão cada vez mais conectados e interagindo com as novas tecnologias. Entretanto, essas atividades promovem pouco dispêndio de energia, fazendo com o a prática de atividade física diminua cada vez mais nessa faixa etária. Neste sentido, a prática esportiva (como o futsal, por exemplo), pode ser usada como uma ferramenta para promover o desenvolvimento físico, social e psicológico de escolares. Neste cenário, o objetivo do presente estudo foi de verificar a capacidade anaeróbia e a aptidão cardiorrespiratória de meninos praticantes de futsal, de acordo com o índice de massa corporal (IMC) e a faixa etária. Para tanto, participaram do estudo 44 meninos, com idades entre 7 e 14 anos, praticantes de futsal do Projeto de Extensão de Futsal da UNIVASF. Os participantes tiveram sua massa corporal e estatura mensuradas (para posterior cálculo do IMC) e realizaram dois testes físicos, sendo: o Running-basedAnaerobic Sprint Test (RAST), para avaliar a capacidade anaeróbia; e o ProgressiveAerobicCapacityEnduranceRun Test (PACER test), para avaliar a aptidão cardiorrespiratória. A partir dos testes realizados, foram calculados o VO2máx (aptidão cardiorrespiratória) e o tempo, velocidade, aceleração, força e potência média nos tiros de 35m (avaliados pelo RAST para estimar a capacidade anaeróbia). O teste-T de Student foi empregado para compara os grupos de acordo com a classificação do IMC (normal e elevado) e a faixa etária (7 a 10 anos e 11 a 14 anos). O nível de significância adotado foi p<0,05. Os resultados gerais revelaram que o grupo apresentou uma capacidade anaeróbia e aptidão cardiorrespiratória adequada para a idade e o sexo. Dos 44 participantes, 11 apresentaram IMC elevado. As comparações de acordo com a classificação do IMC revelaram que participantes com valores elevados apresentaram menor aptidão cardiorrespiratória (VO2máx) (46,14 ± 5,44 vs. 41,58 ± 3,33 mL/kg/min; p=0,012), maior tempo médio (8,00 ± 1,84 vs. 9,72 ± 2,86 seg; p=0,026), e menor velocidade média (4,61 ± 0,92 vs. 3,89 ± 0,98 m/s; p=0,034) e aceleração média (0,63 ± 0,24 vs. 0,46 ± 0,21 m/s²; p=0,037) nos tiros de 35m (avaliados por meio do RAST). Já em relação às faixas etárias, os participantes com idades entre 11 e 14 (n=26) anos apresentaram valores significativamente maiores para todas as variáveis analisadas. Conclui-se que meninos praticantes de futsal, com idades entre 7 e 14 anos apresentaram capacidade anaeróbia e aptidão cardiorrespiratória adequada para o sexo e idade. Todavia, o IMC e a idade se mostraram como fatores influenciadores nesses resultados, visto que o IMC elevado resultou em menor VO2máx, tempo, velocidade e aceleração, e os participantes com idades entre 11 e 14 anos obtiveram melhores resultados para todas as variáveis.


Palavras-chave


Futsal; Treinamento; Jovens; Aptidão Cardiorrespiratória; Capacidades Físicas.