Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
RELATO DE EXPERIÊNCIA: projeto de intervenção em sala de acolhimento de uma unidade básica de saúde do vale do São Francisco
Kaab Almeida Santos, Wanderson Luan Souza de Carvalho, Kátia Simoni Bezerra Lima

Última alteração: 2019-11-21

Resumo


O acolhimento é um dispositivo preconizado pela Política Nacional de Humanização para reorganizar a assistência em saúde de modo a reconhecer o usuário como sujeito ativo do processo do cuidado. Suas necessidades devem ser atendidas mediante uma ordem de complexidade, por meio da classificação de risco por escala de cores, dispositivo de apoio aos serviços de urgência. Considerando a Atenção Básica como porta de entrada para as demandas de saúde, o enfermeiro como membro integrante da equipe de saúde da família, e as dificuldades observadas durante o período de estágio, foi desenvolvido um projeto de intervenção teve o objetivo de desenvolver e implementar um fluxo de atendimento para enfermagem no que tange as demandas espontâneas, assim como reestruturar a classificação de risco por escala de cores junto aos profissionais da unidade. O estudo consiste num relato de experiência da implementação de um projeto de intervenção desenvolvido na Unidade Básica de Saúde Maria de Lourdes da Silva, no município de Petrolina-PE. O período de realização foi junho e julho de 2019, e ocorreu em quatro momentos. O primeiro momento foi constituído pela apresentação da proposta de intervenção para a supervisora e preceptoras, e a execução das propostas estabelecidas. O segundo momento consistiu no desenvolvimento de um fluxograma de atendimento para a Enfermagem aliado ao uso da classificação de risco por escala de cores, esclarecendo quais demandas competem aos enfermeiros, assim como a complexidade do caso mediante a cor referenciada. Uma vez feito isso, a nova classificação foi mostrada para os profissionais da unidade para elucidar dúvidas e fazer ajustes e adequações referentes à realidade e demandas observadas na rotina de trabalho. No terceiro momento foi realizado um treinamento por meio de acompanhamento direto do trabalho desenvolvido pelo acolhimento seguindo a proposta de educação permanente. O momento final foi constituído pela observação de como estavam sendo aplicadas as mudanças propostas pelos profissionais, a fim de avaliar se o conhecimento construído possibilitou uma escuta inicial mais qualificada e com maior direcionamento e resolutividade. Após a intervenção, o fluxo proposto de atendimento para enfermagem começou a ser aplicado de forma adequada e utilizado na rotina do serviço, otimizando e qualificando a escuta inicial, a fim de encaminhar para o enfermeiro apenas as demandas que a ele competem. Quanto à reestruturação da classificação de risco por escala de cores junto à equipe, foi possível obter uma melhor comunicação entre os membros, no que tange as prioridades. Ao avaliar as necessidades dos profissionais, buscou-se uma valorização de seu trabalho, desenvolvendo um projeto mediante demanda observada e relatada, o que cria uma corresponsabilização do processo de trabalho e determina sua importância dentro do contexto da modificação das práticas em saúde. Dessa forma, a intervenção realizada propiciou as técnicas de enfermagem do acolhimento qualificação para manutenção de uma escuta inicial qualificada e resolutiva.

 


Palavras-chave


acolhimento; atenção básica; educação permanente