Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Uso do polipirrol solúvel no tratamento da mastite infecciosa bovina
João Paulo da Silva Rodrigues, Ana Paula Pereira Alves, Rodolfo de Moraes Peixoto, Helinando Pequeno de Oliveira, Fernando Antônio Gomes da Silva, Mariana Gama e Silva, Renata de Faria Silva Souza, Mateus Matiuzzi da Costa

Última alteração: 2019-11-09

Resumo


O Brasil tem uma grande produção de leite e derivados, sendo considerado um dos maiores produtores do mundo, contudo, tem sido bastante prejudicado por algumas alterações que favorecem o declínio da produção, como a mastite bovina. Alguns patógenos, tais como Staphylococcus aureus, colonizam o teto e canal do teto, estruturas da glândula mamária. A enfermidade é desenvolvida devido a entrada de microrganismos que causam a inflamação, seguida de redução da produtividade de leite. No combate a esta enfermidade, que tanto compromete a indústria leiteira pela má qualidade microbiológica do leite e a saúde do animal, a ferramenta mais utilizada tem sido a antibioticoterapia. Neste contexto, o polipirrol (PPy) solúvel apresenta-se como uma terapia alternativa ao tratamento da mastite. Este polímero condutor é um promissor antimicrobiano, no entanto, sua toxicidade não é bem descrita. Portanto, o objetivo do trabalho foi avaliar a toxidade do PPy solúvel, através do estudo de toxicidade de dose única (aguda). Foram utilizados 30 camundongos, divididos em 3 grupos com 10 animais cada (controle com solução fisiológica, dose 1000 mg e dose 500 mg). Após 4 dias de aclimatação, os animais receberam as doses por via intraperitonial e foram acompanhados  durante 14 dias, com água e ração por livre demanda. Em seguida, eles foram eutanasiados recendo uma dose de tiopental e realizou-se deslocamento cervical, para a aferição do peso do baço, coração, pulmões, rins e fígado. Após imediata aplicação, os animais que receberam o Ppy apresentaram comportamento diferente do grupo controle, entre os quais: lambedura excessiva e caminhada alongando a região pélvica. Contudo, com o passar do tempo, os animais já voltaram a apresentar comportamento similar ao grupo controle. Durante os demais 14 dias, eles demonstraram comportamento físico e alimentar padrão, consumindo regularmente ração e água. Todos os animais apresentaram acréscimos similares no peso corporal. Os órgãos de todos os grupos apresentaram aspectos macroscópicos e pesos normais. Concluiu-se que o PPy solúvel não possui toxicidade mediante as doses testadas, sendo compatível com o organismo e células dos animais testados.

Palavras-chave


Mastite; Polipirrol; Toxicidade.