Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
Análise comparativa dos perfis de usuários do CAPSad de acordo com a duração do tratamento
Rafael Alves Rodrigues, Angelo Augusto Silva Sampaio, André de Queiroz Constantino Miguel, Ana Karoline Sarmento de Nóbrega, Antônio Ferreira da Silva, Izabel Cristina Ferreira de Carvalho, José Ricardo Peixoto Coriolano, Karina Souza Silva, Mayki Jhefferson Alves Dias

Última alteração: 2019-11-08

Resumo


A eficácia do tratamento para pessoas com transtornos relacionados ao uso de substâncias depende estritamente da adesão ao tratamento. Os Centros de Atenção Psicossocial – Álcool e Outras Drogas (CAPS AD) podem apresentar essa dificuldade. Pesquisas realizadas no CAPS AD do Mato Grosso do Sul e no Paraná, por exemplo, indicam que o perfil dos usuários que permanecem em tratamento são, em sua maioria, homens, mais velhos e com problemas com drogas lícitas. Esses estudos, entretanto, não utilizaram instrumentos padronizados e validados, dificultando uma comparação sistemática dos dados em diferentes regiões. Portanto, o objetivo desse trabalho foi avaliar as diferenças entre os perfis dos usuários de acordo com o seu tempo de tratamento em CAPS AD III do interior de Pernambuco (PE) e da Bahia (BA), utilizando como instrumentos o Alcohol, Smoking and Substance Involvment Screening Test (ASSIST), a Escala Barrat de Impulsividade (BIS-11), o Inventário de Depressão Beck-II (IDB-II) e o Inventário de Ansiedade Beck (IAB). Participaram 99 usuários em tratamento (50 em PE e 49 na BA), maiores de 18 anos, selecionados por conveniência, sendo divididos em 2 grupos: os com mais de 3 meses de tratamento (G>90) e os com menos de 3 meses de tratamento (G<90); essa mesma divisão foi realizada nas análises da amostra por cada instituição (GPE<90 e >90; GBA<90 e >90). Para a descrição do perfil clínico, sociodemográfico e as análises descritivas dos instrumentos, utilizou-se o MS Excel 2016. Para analisar se os grupos e subgrupos difeririam significativamente, utilizou-se o teste t para amostras independentes do Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). Mais da metade da amostra total, e também dos grupos G<90 e G>90, são homens. Contudo, os dois grupos diferem em relação a estar em uma união estável (G<90 = 21,28% e G>90 = 34,62%) e para os anos de estudo (G<90 = 5,91 e G>90 = 7,41, t(96) = - 2,088; p = 0,04). Esse mesmo padrão foi observado nos subgrupos de PE e BA, com acréscimo nos dois subgrupos de PE em relação a uma diferença significativa quanto a idade (GPE<90 = 38,67 e GPE>90 = 46,04, t(47,05) = 2,611; p = 0,01). Conclui-se que o perfil de usuários com maior probabilidade de permanecer em tratamento são homens, mais velhos, com maior apoio familiar e mais instruídos. Além disso, os dados para as substâncias indicam que usuários com problemas com substâncias lícitas têm uma maior probabilidade de permanecer em tratamento (houveram mais usuários em risco moderado e grave para o uso de tabaco e álcool no G>90, do que em relação a substâncias ilícitas), corroborando os achados dos estudos supracitados e indicando uma necessidade de se desenvolver estratégias e intervenções que aumentem a probabilidade de outros perfis de usuários aderirem ao tratamento.


Palavras-chave


Drogas; CAPSad; Adesão ao tratamento; Perfil dos usuários