Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), SCIENTEX-2019

Tamanho da fonte: 
ESTUDO DO PERFIL DO CONHECIMENTO DE ESTUDANTES DE MEDICINA DA UNIVASF EM RELAÇÃO À TUBERCULOSE
Sara Virgínia Gomes Rodrigues, Fabiana Macedo Pereira, Iandra Carla Coelho Mororó, Igor Teixeira Viana, Louise Muricy da Silva Lopes, Walter Ataalpa de Freitas Neto, Gabriela Lemos de Azevedo Maia

Última alteração: 2019-11-07

Resumo


A tuberculose (TB) é uma doença infecciosa e contagiosa, causada pelo Mycobacterium tuberculosis, também denominado de bacilo de Koch. O Ministério da Saúde adota como uma medida de prevenção a vacinação com Bacillus Calmette-Guérin (BCG) intradérmico ao nascer, que confere poder protetor às formas graves da doença. O Brasil é um dos 22 países priorizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) que concentram 80% da carga mundial de TB. Segundo dados no Ministério da Saúde no País foram notificados 70.047 casos novos em 2012. Diante do quadro em questão, desde o século passado, o MS vem tomando medidas de descentralização do diagnóstico e tratamento da doença, transferindo esse encargo de grandes centros de referência para a Atenção Primária em Saúde. As condições que favorecem a manutenção da TB em nosso país compreendem, o empobrecimento das famílias, a dificuldade de acesso aos serviços de saúde, o envelhecimento da população, o crescimento de grupos marginalizados socialmente e o aumento das migrações internas e externas, a associação da TB com a aids e o desenvolvimento da multirresistência às drogas. Dessa forma, o objetivo desse estudo foi descrever e analisar aspectos ligados ao conhecimento da tuberculose entre estudantes do primeiro e último período do curso de Medicina da UNIVASF. Para isso, foi realizado um estudo transversal, baseado em entrevistas semiestruturadas, aplicada de forma aleatória entre estudantes ingresso e egressos do curso de Medicina da UNIVASF nos anos de 2018 e 2019. A análise de dados foi feita através da quantificação estatística das variáveis com médias, frequências e percentis, realizada através do programa Microsoft® Office Excel. Foram entrevistados 41 estudantes, sendo 32 do 1º semestre e 9 do 12º semestre do curso de Medicina. Em sua maioria eram alunos do estado do Pernambuco 82,9%, com idade entre 18 e 39 anos, com um equilíbrio de sexos, feminino (48,7%) e masculino (51,3%), solteiros (90,2%). Quanto ao questionamento sobre o conhecimento da tuberculose, a grande maioria relatou ser uma doença respiratória e infectocontagiosa, com sintomas do tipo tosse, febre, cansaço, dentre outros e que esta doença afeta ambos os sexos de igual forma (65,85%). Ao perguntar sobre a raça/cor mais comum entre pessoas com tuberculose, 56,1% informaram que a prevalência da tuberculose independe de cor/raça, tendo agente infeccioso a bactéria (87,8%), sendo também uma doença potencialmente curável. As respostas revelam um nível considerável de conhecimento sobre a TB por parte dos entrevistados, esse estudo traz dados preliminares, destacando-se a necessidade de maior ênfase em pesquisas qualitativas com foco na formação dos profissionais de saúde, assim como a capacitação daqueles que já estão inseridos nos serviços de saúde.


Palavras-chave


Tuberculose; Vulnerabilidade; Saúde; Interdisciplinaridade