Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), IV Congrefor & IV Simpósio de Residências em Saúde - ISBN 978-85-60382-99-6

Tamanho da fonte: 
ACOLHIMENTO PERMEANDO RELAÇÕES INTERPESSOAIS EM SERVIÇO DE SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIA
Aislany Warlla Nunes, Fernanda Emília Xavier de Souza, Maria Clara Campos de Sá, Sabrina Fernandes Passos, Maria de Fátima Alves Aguiar Carvalho

Última alteração: 2018-03-18

Resumo


O acolhimento é o elemento intercessor na construção do relacionamento interpessoal entre profissionais, usuários/as e familiares nos serviços de saúde, requer do/a profissional em sua prática de cuidado, um olhar ampliado do sujeito e seu contexto social. O vínculo e a confiança são estabelecidos através do respeito e do saber escutar e compreender as necessidades demandadas. O encontro com diferentes pessoas e profissionais em situações diárias, as quais passam a fazer parte do cotidiano da pessoa hospitalizada, provocam mudanças repentinas em seu cotidiano que, de acordo com a relação interpessoal estabelecida, podem vir a colaborar ou não no seu processo terapêutico. Com isso, faz-se necessário que se estabeleça uma relação de confiança mútua entre todos/as os/as envolvidos/as, para que cada passo dado seja consciente e confiante na perspectiva de facilitar o conforto emocional do/a usuário/a e de sua família, e ainda, facilitar o modo de encarar o processo saúde- doença de forma mais amena e equilibrada. Este estudo teve caráter descritivo do tipo relato de experiência, desenvolvido no período de 02 a 06 de outubro de 2017, na Clínica Cirúrgica de um Hospital Universitário do Vale do São Francisco da Rede SUS. O problema experienciado envolveu a Sra. MVRC, 61 anos, hospitalizada há 14 dias para uma intervenção cirúrgica. O fato de encontra-se longe do seu contexto familiar e social, causava-lhe profunda tristeza, repercutindo na dificuldade de relacionamento com a equipe multiprofissional do serviço. Participaram da experiência seis discentes do 3o período de Enfermagem da Universidade Federal do Vale do São Francisco/UNIVAS. Durante os cinco dias de atividades do Módulo Práticas do Cuidar II, foi possível se desenvolver um vínculo de confiança e respeito entre paciente, família e discentes, através do acolhimento que esteve presente em todos os encontros, desde o primeiro contato até a atenção resolutiva do problema, pacificando o medo e o receio da paciente, gerados pela expectativa da cirurgia. A escuta sensível disponibilizada através da relação interpessoal discentes-paciente-familiares, frente a todas às dificuldades demandadas, proporcionou bem-estar, melhora da autoestima da paciente, de forma a dispensar os medos e anseios e obter êxito no procedimento cirúrgico. Concluímos com a experiência vivenciada que o acolhimento é o elemento estratégico que favorece a promoção de relações interpessoais entre profissionais, usuário/a e familiares nos serviços de saúde, com práticas inovadoras que estimula o diálogo e a escuta, promovendo o acesso e atenção integral resolutiva no âmbito do SUS.


Referencias

PINHO, Leandro de Barbosa; SANTOS, Silvia Maria Azevedo dos. O relacionamento interpessoal como instrumento de cuidado no hospital geral. Cogitare Enfermagem, v. 12, n. 3, 2007.

ALMEIDA, Vitória de Cássia de Félix; LOPES, Marcos Venícios de Oliveira; DAMASCENO, Marta Maria Coelho. Teoria das relações interpessoais de Peplau: análise fundamentada em Barnaum. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 39, n. 2, 2005.

MENDES, Maria Angélica; BASTOS, Marisa Antonini Ribeiro. Processo de enfermagem: seqüências no cuidar, fazem a diferença. Rev Bras Enferm, v. 56, n. 3, p. 271-6, 2003.

SIQUEIRA, Amanda Batista et al. Relacionamento enfermeiro, paciente e família: fatores comportamentais associados à qualidade da assistência. Arquivos Médicos do ABC, v. 31, n. 2, 2006.




Palavras-chave


colhimento; Relações Interpessoais; Relação Familiar; Estudantes de Enfermagem