Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), III Congrefor & III Simpósio de Residências em Saúde - ISBN 978-85-60382-68-2

Tamanho da fonte: 
DESAFIOS ENFRENTADOS PELO PSICÓLOGO NA ATENÇÃO BÁSICA PARA O FORTALECIMENTO DO SUS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA
Gabriella Santos Wrublewski, Lusiane Miranda Palma

Última alteração: 2015-11-05

Resumo


Eixo Temático 01: Experiências de atenção à saúde com grupos populacionais e/ou comunidades específicas articuladas com a formação profissional em saúde.

O presente trabalho trata-se de um relato de experiência vivenciada na prática da psicologia na Atenção Básica dentro do programa de Residência em Saúde da Família. Este programa da Residência está localizado no município de Juazeiro-BA e conta com uma equipe multiprofissional composta por psicólogas, enfermeira e farmacêutica, que integram uma perspectiva de ensino e prática em conjunto com a equipe de Estratégia de Saúde da Família. Nesta perspectiva, a psicologia inserida neste contexto da atenção básica trabalha especialmente com a comunidade, que inclui atividades de promoção, prevenção e proteção à saúde através de: educação em saúde com grupos educativos e terapêuticos, clínica ampliada, atendimento compartilhado com a enfermeira e farmacêutica, atenção à saúde mental nas escolas, visitas domiciliares, associações comunitárias, dentro outros. Apesar da variedade de possibilidades de intervenção da psicologia, ainda encontramos dificuldades na efetivação destas ações, pois a integração psicologia e atenção básica ainda enfrenta grandes desafios para sua implementação. Ao planejar as atividades na comunidade podemos observar o quanto era enfatizado os atendimentos ambulatoriais. Porém, aos poucos esta perspectiva foi se modificando para uma demanda de grupos com a comunidade com populações específicas, a partir do qual foram pensadas atividades educativas voltadas para saúde da mulher com gestantes e outro grupo para hipertensos e diabéticos. Durante a prática da residência efetivamos uma atenção domiciliar apostando no modelo da clínica ampliada, o que possibilitou fazer um acompanhamento à domicilio na construção da rede de cuidado para cada paciente. Além disso, planejamos articular grupos com jovens em situação de vulnerabilidade com o uso de drogas e de adolescentes em situação de prostituição. Um dos desafios que encontramos foi a dificuldade de se fazer compreender as ações do psicólogo para além de uma clínica tradicional. Outra dificuldade encontrada foi a inserção da prática psicológica no Sistema Único de Saúde, vista muitas vezes de forma distanciada da estratégia de saúde da família. Esta mudança de paradigma aconteceu através da inserção do psicólogo na atenção básica, o que possibilitou pensar em uma noção de saúde de forma mais ampla, que incluísse o contexto social e econômico, para além do modelo biologicista. Além disto, possibilitou uma mudança do olhar do profissional para ter uma visão mais integral da saúde, considerando fatores subjetivos, bem como, a importância do vínculo do profissional com o usuário para a sua produção de saúde.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde, Psicologia, Saúde da Família