Portal de Eventos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), IV Fórum de Mobilização Antimanicomial do Sertão do Submédio do São Francisco - ISBN 978-85-60382-71-2

Tamanho da fonte: 
IMPLANTAÇÃO DO CAPS AD III REGIONAL DE AFOGADOS DA INGAZEIRA/PE: RELATO DE EXPERIÊNCIA
Maria do Socorro Nascimento Borborema e Silva, Antusa da Silva Leite, Juliana da Silva Brito, Laura Cavalcanti de Farias Brebmer

Última alteração: 2015-11-26

Resumo


Os dados epidemiológicos sobre o crack no Brasil, evidenciam padrões científicos sobre consumo, perfil dos usuários e impacto social. Devido ao baixo custo, via de administração pulmonar, intensidade e rapidez do efeito e alto potencial ofensivo, o uso compulsivo de crack leva a dependência e causa danos sociais, bem como, contribuiu para o aumento das taxas de infecção por vírus HIV e vírus da Hepatite C (UCHOA, 2011). Pesquisa realizada no Brasil em 2010, pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), em 3.950 municípios, evidenciou que 98% foi em decorrência do uso de Crack e outras Drogas, propuseram planos de enfrentamento para este problema de saúde pública em diferentes níveis de governo (CNM, 2010). O Governo Federal institui o Plano Integral de Enfretamento ao Crack e outras Drogas através do Decreto nº 7.179 de 20 de maio de 2010. O Governo de Pernambuco através do Decreto nº 35.065, de 26 de maio de 2010 criou a Rede estadual de enfrentamento ao Crack e o plano de Ações Sociais Integradas priorizando temas de prevenção social e repressão qualificada, proteção, tratamento e inclusão sócio produtiva para prevenção e combate ao uso de Crack e outras Drogas. O projeto de implantação do CAPS AD III Regional - Afogados da Ingazeira – PE, surgiu diante da inexistência de uma rede de saúde mental com aproximadamente 200 mil habitantes distribuídos em doze municípios. Este trabalho relata minha experiência profissional como enfermeira e agente ativa do processo de planejamento onde constatei elevados índices de morbidades, comorbidades caudadas pelo abuso e dependência ao uso de álcool e outras drogas. Bem como, transtornos mentais comuns e graves. Desta forma, foi possível justificar para a Comissão Intergestora Bipartite a necessidade de implantação de uma Rede de Atenção Psicossocial. Foi aprovado na resolução CIR Nº 204 de 25 de Novembro de 2013. A instituição é destinada ao atendimento de casos de abuso e/ou dependência de álcool e outras drogas e comorbidades associadas. O projeto recebeu avaliação e liberação dos recursos financeiros para implantação junto ao Ministério da Saúde (MS). A pesquisa foi realizada no período de novembro de 2013 a abril 2014.Paralelamente estou capacitando os Agentes Comunitários de Saúde e os Técnicos de Enfermagem da Atenção Básica, no Projeto Caminhos do Cuidado do MS. A Política Nacional da Atenção Básica, caracteriza atenção à saúde, promoção e prevenção de agravos, tratamento, reabilitação, redução de danos e manutenção da saúde (BRASIL, 2012). O CAPS AD III – Afogados da Ingazeira – PE é um instrumento essencial para o cenário geográfico e social, proporcionará ao indivíduo condições de conviver no seu meio social e familiar, o serviço será oferecido por uma equipe multidisciplinar em parceria com a rede de Atenção Básica dos municípios, minimizando o preconceito, interligando a rede de serviços à comunidade. A intervenção baseia-se nos princípios da inclusão, habilitação e reabilitação psicossocial. Deverá ter uma abordagem interdisciplinar, ressaltando o papel do técnico de referência profissional da equipe que estabelecerá um vínculo diferenciado com o usuário, potencializando o processo terapêutico, atendendo as necessidades do sujeito em várias dimensões.

Palavras-chave


Prevenção Social, Atenção Básica; Redução de danos; Inclusão Social